My Golden Dress | Being a Mom #11 - Tenho 25 anos, sou MÃE e feliz!
A ideia triste de que as mães com vintes são umas infelizes, precoces e que não viveram as suas vidas em pleno tira-me do sério!
Being a mom #11 , Maternidade, idade, ser mãe aos 20, preconceito, solange hilário
1168
post-template-default,single,single-post,postid-1168,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.4,menu-animation-underline,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0,vc_responsive

Being a Mom #11 – Tenho 25 anos, sou MÃE e feliz!

Vê-se na internet mil artigos sobre a importância , os benefícios, as vantagens de ser mãe depois dos 30… Então e as mulheres que decidem ser mães antes dos 30? Sim, leram bem: As MULHERES que DECIDEM ser mães antes dos 30.

A ideia pré concebida socialmente de que as mulheres que são mães na sua ‘inexperiente’ segunda década de vida são imaturas, desequilibradas e muito pouco preparadas para a vida é absolutamente ridícula. E não, nem todas fomos mães nestas idades por acidente, nem todos os filhos são consequência de uma bebedeira de ‘caixão à cova’. Há bebés, filhos dessas mães cabeça de vento, que nascem em famílias organizadas com o enorme desejo de os receber e acarinhar.

Este é o meu caso. Fui mãe aos 22 anos, dois meses antes dos 23 e ainda hoje sinto que me descredibilizam enquanto mãe. Já perdi a conta ao número de pessoas que me fizeram sentir a pior do mundo (ou tentaram): A ginecologista, a pediatra, perfeitos desconhecidos na rua que acham que têm algum direito a fazer comentários e até mesmo familiares.

 

“Agora vê lá se aproveitas a vida! Tens muito tempo para ter filhos! ” ; ” Tão novinha e já com um filho?”; “A menina tem pai?”

 

Eu gostava de compreender estes comentários mas não consigo! Por que raio não hei-de eu ser MÃE, aos 25 anos, CASADA e FELIZ?

Sim, eu ESCOLHI deixar a carreira em segundo plano em prol da minha família, eu ESCOLHI casar-me e construir esta família ao lado de um homem 15 anos mais velho que eu e não, ele não me sustenta, ambos sustentamos a nossa vida e a da NOSSA FILHA, aquela que recebemos na NOSSA CASA com muita felicidade e alegria. Isto é possível.

 

Eu até percebo que a maioria das mulheres não tenha a construção da sua família em primeiro lugar hoje em dia e que espera até quase aos 40 anos para o fazer pelos mais variados motivos, mas gostava que, conforme eu respeito que adiem este tipo de decisões, respeitassem também que eu tenha escolhido fazer diferente.

 

Ninguém tem o direito de me julgar seja pelo que for até porque se hoje me dia raparigas da minha idade agem como crianças deve-se à educação que recebem, ou seja , há mães que em vez de julgarem as outras mães, mais novas ou não, deviam estar mais preocupadas com a educação das suas filhas mulheres. Não a prepará-las para fazer filhos a torto e a direito mas sim para serem Mulheres capazes e seguras das suas decisões, sejam elas quais forem e em qualquer área das suas vidas.

Agora, bem ao jeito dos artigos que vou lendo sobre os benefícios de ser mãe depois dos 30, descrevo, por tópicos, por que razão AMO ter sido mãe aos 22 anos:

  • A recuperação do meu corpo após o parto foi muito rápida e tranquila – É uma questão biológica. O corpo está mais ‘fresco’ e preparado para a recuperação de um evento tão avassalador como a gravidez e o parto.
  •  Tenho mais energia para lidar com as noite mal dormidas – Talvez por não estarem assim tão longe as noitadas de estudo (estão a ver os benefícios?), não me custam tanto as noites mal dormidas.
  • Vou ser a melhor amiga da minha filha SEMPRE – As primeiras saídas, os namorados, as brigas entre amigas, eu vou lá estar, pronta para tudo, com muita paciência e sem os julgamentos e inflexibilidade de mãe porque me lembro bem de como era irritante aquela figura que nunca me compreendia.
  • Tenho tempo para pensar em ter mais filhos – Este facto é provavelmente o que mais me motivou. Como gostava de ter uma família grande, quanto mais cedo iniciasse o processo, melhor.
  • Sou mais calma e flexível na educação da minha filha – Não tive muito tempo para assimilar as ‘minhoquices’ dos mais velhos então consigo ser mais despreocupada nas decisões em relação à educação da Sara.
  • Faria tudo de novo, da mesma forma, na mesma idade – Não me arrependo de nada! Sou feliz com a vida que escolhi e a minha filha faz-me ainda mais feliz, todos os dias.

 

E as mulheres que criam os seus filhos sozinhas, as que foram mães na adolescência… Não as diminuam nunca, sabem porquê? Porque a maior parte das mulheres que têm filhos não seriam capazes de fazer o que estas mães fazem: Lutar todos os dias contra todo este preconceito, trabalhar por dois, brincar por dois, sorrir por dois, tudo para levar as suas vidas e a dos seus filhos para a frente. Só merecem o nosso apoio e admiração, em qualquer idade.

 

Depois disto tudo… Há assim tantas diferenças entre ser mãe aos 20, aos 30 ou aos 40? Não zelamos todas pelo mesmo?

 

Deixemo-nos de tretas! Mãe é Mãe.  Se não é, devia ser, mas garanto que nada tem a ver com a sua idade.

 

Um beijinho,

S

 

3 Comments
  • Maria Reis

    20 Novembro, 2018 at 22:03 Responder

    Muito sensata e acertiva 🙂 Adorei ler e concordo principalmente na parte das noites mal dormidas 🙂 fala uma mãe de 32 anos que aguentar as noitadas . Se fosse há 10 anos era mais fácil 😛 beijinhos

  • Mila

    22 Novembro, 2018 at 17:54 Responder

    Eu entendo o que estas a dizer. Especialmente de seres julgada por outros. As mulheres tendem a ser julgadas por tudo e por todos. Mas o teu artigo está de certa forma a julgar e comparar com mães depois dos 30 anos. Ao dizeres tenho mais calma e sou mais flexível , serei a melhor amiga da minha filha.. Mães depois dos 30 anos também podem ser.. Eu fui mãe depois dos 30 anos e tambem sempre ouvi comentários.. Vais ficar para tia, só pensas no trabalho.. Quando não era bem assim.. Enfim o importante é tu saberes a mãe que és e queres ser para tua filha e esqueceres as opiniões alheias.. A mãe é que sabe o que é melhor para sua cria. Bjs

  • Sara

    25 Novembro, 2018 at 9:45 Responder

    Fui mãe aos 25 anos e penso que as únicas perguntas mais indiscretas foram “foi uma gravidez planeada?”. De resto nunca sofri nenhum tipo de preconceito. Embora a recuperação do corpo tenha sido difícil de facto senti que a idade ajudou nas noites mal dormidas. E voltava a fazer tudo igual.
    Felicidades

Post a Comment